Arquivo para solidão

Memórias de um objeto

Posted in 2011, Descaminhos, Poesia with tags , , on 16/09/2011 by Stella

Eu era aquele abajur no quarto

De luz fraca

Num esforço de diminuir a escuridão.

Eu era aquele criado-mudo

Que ouvia confissões.

Eu era aquele toucador antigo

Que servia de apoio,

Que guardava intimidades…

Que revelava suas qualidades e alguma imperfeição.

Eu era mais um objeto

Naquele dormitório.

Ao seu dispor para os momentos de solidão.

Tendo por testemunha quatro cantos, o teto e o chão.

∞ ∞ ∞

“Eu estava aqui o tempo todo, só você não viu….” (Na sua estante, Pitty)

Anúncios

Contradição

Posted in 2011, Descaminhos, Poesia with tags , , , , , , , on 17/08/2011 by Stella
Queria amor e encontrou solidão.
Queria paz e encontrou inquietude.
Queria certezas e encontrou dúvida.
De tudo que queria só encontrou o nada.
Quando aceitou o nada…
Encontrou tudo.

∞ ∞ ∞

“Eu sou uma contradição e foge da minha mão. Fazer com que tudo que eu digo faça algum sentido.” (Memórias, Pitty)

Lições

Posted in 2011, Descaminhos, Poesia with tags , , , , on 15/08/2011 by Stella
Aprenda que
Deixar a porta aberta
Não quer dizer que alguém vai entrar.
Aprenda que
Deixar ficar
Não quer dizer que a solidão vai sumir.
Aprenda que
Deixar passar
Não quer dizer que terá paz.
Aprenda que
Se amar
Não quer dizer que será recíproco.
Aprenda que
Se perdoar
Será livre.

∞ ∞ ∞

“Lá vem você com lições de vida. Logo você, tão dividida.” (Lições de Vida, Toquinho)

Affair

Posted in 2010, Descaminhos, Poesia with tags , , , , , , on 26/03/2011 by Stella

Sei que não é amor,

Mas te visto assim

Pra me iludir.

Não é tampouco paixão…

É uma fuga.

E nessa ilusão

De amor

Vou fugindo,

Caindo, me enredando

Só por gostar dos

Beijos teus e por medo

Da solidão.

∞ ∞ ∞

“Ai! Que coisa boa… À meia-luz, à sós, à tôa… ” (Caso Sério, Rita Lee)

Enganos

Posted in 2009, Descaminhos, Poesia with tags , , , , on 12/04/2010 by Stella

Eu aqui pensando

Que você me quis

Por paixão

E você só queria

Acalmar seu tesão

Eu pensando

Que de novo era tesão

E você só queria

O cansaço como solução

Eu pensando

que você velava

meu sono por amor…

E a realidade

Se fez revelação

Não sou eu…

É a dona insônia

Que ocupa seu pensamento,

Toma conta do seu tempo

E quem sabe até

Do coração…

∞ ∞ ∞

“Hoje eu preciso tomar um café, ouvindo você suspirar… Me dizendo que eu sou o causador da tua insônia…” (Só hoje, Jota Quest)